UFU e UFTM receberão quase R$ 5 milhões do MEC para investimento e projetos de infraestrutura

Recurso será liberado pelo Ministério da Educação para ser aplicado em áreas prioritárias apontadas pelas próprias instituições. Veja como o dinheiro será investido.

A Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e a Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM) receberão, juntas, R$ 4,8 milhões para investimentos em projetos de infraestrutura.

O recurso foi anunciado na última sexta-feira (3) e será destinado pelo Ministério da Educação (MEC).

De acordo com o MEC, os valores foram definidos a partir da solicitação de cada universidade, conforme tema prioritário (veja abaixo). Cada área recebeu um piso e um teto de gastos pelo ministério. A previsão é que a verba seja liberada até o final de agosto de 2020.

UFU

Segundo informação do MEC, a Universidade Federal de Uberlândia definiu como prioridade o tema “Obras em andamento”. A instituição receberá R$ 4 milhões para concluir projetos.

G1 entrou em contato com a UFU para saber em quais projetos o dinheiro será investido. Em nota, a universidade informou que a aplicação do recurso será definida em reunião ainda esta semana.

UFTM

Já a UFTM, com sede em Uberaba, receberá R$ 800 mil para aplicar em projeto do tema “Energia Fotovoltaica”. Segundo a universidade, o trabalho de análise técnica e planejamento para desenvolvimento da proposta e plano de ação foi iniciado para garantir o recebimento da verba.

Em resposta ao contato feito pelo G1, a UFTM disse, ainda, que não é possível estimar o quanto será economizado com o sistema de energia fotovoltaica.

Anúncio

Os recursos que serão destinados às instituições do Triângulo Mineiro fazem parte de um pacote de R$ 253, 9 milhões para 68 universidades federais do país.

Além da UFU e da UFTM, outras universidades federais mineiras também receberão o aporte. A previsão é que a verba seja liberada até o final de agosto deste ano.

Ainda segundo o MEC, o diálogo com as instituições apontou e definiu os temas de investimento. O piso foi definido em R$ 800 mil e o teto variou de acordo com a área.

“Todos esses recursos serão liberados para as universidades por meio de Termo de Execução Descentralizada (TED), e isso permite controle sobre os processos: as universidades receberão os recursos e terão que prestar contas por meio do Relatório de Cumprimento de Objetos de como a execução estará ocorrendo”, acrescentou o secretário de Educação Superior Adjunto, Tomás Dias Sant’Ana.

G1

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu