Primeira morte registrada de epidemia misteriosa que assola Minas Gerais

O primeiro óbito envolvendo o quadro clínico misterioso foi registrado em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira. O bancário Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, que é natural de Ubá, morreu na noite dessa terça-feira (7) na Santa Casa de Misericórdia, onde estava internado desde 31 de dezembro. 

A morte foi confirmada à reportagem pela assessoria de imprensa da prefeitura de Juiz de Fora. Além dele, outras seis pessoas seguem em internadas. Desses, cinco pacientes são belo-horizontinos e um é de Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.  

Conforme apurado pela Itatiaia, Paschoal passou o Natal no bairro Buritis, região Oeste da capital mineira. Os demais internados também têm relação com o bairro. Inúmeras possibilidades de intoxicação foram levantadas, contudo nenhuma confirmada. 

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que “as investigações seguem seu curso”. A pasta também comunica que uma força-tarefa composta por técnicos e participação do Ministério da Saúde foi criada. 

Conforme o subsecretário em Vigilância e Saúde, Dario Broque Ramalho, exames investigam a possibilidade de “intoxicação exógena e se os pacientes tiveram exposição a alguma substância tóxica”. 

Todos os pacientes são do sexo masculino, com idades entre 23 e 76 anos, e apresentaram como sintomas insuficiência renal aguda de rápida evolução (até 72 horas) e alterações neurológicas. 

A Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) enviou equipes da Vigilância Sanitária às residências das vítimas para recolher alimentos para análise laboratorial. Um inquérito epidemiológico foi aberto.

ITATIAIA

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu