Presidente da Coopervap vai ao Min da Agricultura em defesa do pequeno produtor

O Presidente da Coopervap, Valdir Rodrigues, acompanhado do Presidente da Cemil Vasco Praça Filho e representantes da Organização das Cooperativas do Brasil esteve no Ministério da Agricultura em Brasília para buscar solução para um impasse que pode inviabilizar a captação de leite de pequenos produtores não só em Paracatu, mas em todo o Brasil.


O objetivo da reunião no Ministério foi a publicação das normativas 76 e 77 que determinam que o leite fornecido pela propriedade rural deve apresentar médias de Contagem de Bactéria Totais – CBT inferiores a 300 mil UFC/mL e de Contagem de Células Somáticas – CCS abaixo de 500 mil CS/mL;


A CBT (Contagem Bacteriana Total) diz respeito a qualidade microbiológica do leite, seu resultado indica os cuidados com higiene ao obter ou manusear o produto e junto com a CCS (Contagem de Células Somáticas) se referem a importantes parâmetros da qualidade do leite, porém, coloca os pequenos produtores sem condições de investimento e as cooperativas que acolhem esta produção contra a parede.


Se não houver uma revisão nesta normativa, os estabelecimentos captadores, como por exemplo as Cooperativas devem interromper a captação do leite do produtor que apresentar, resultado fora do padrão exigido pelo Ministério da Agricultura e isso significa que centenas de pequenos produtores terão sua única fonte de renda cessada.


“-Esse é um momento de muita preocupação porque nós já estamos intimados a cumprir uma normativa que determina o corte na captação de leite de um grande número de pequenos produtores que tem como única fonte de renda o leite da sua propriedade,” afirmou Valdir.


Os líderes Cooperativistas levaram sua preocupação ao Governo Federal e foram recebidos pelo Secretário Geral do Ministério da Agricultura, o Deputado Marcos Montes.


A Coopervap é hoje uma das Cooperativas com maior número de produtores cooperados individuais do Brasil, são mais de 1400 produtores de leite que com captação diária. Além disso, temos o maior volume de leite de uma cooperativa singular e ao mesmo tempo a maior extensão territorial, “uma situação quase única no Brasil”, explicou o Presidente da Cooperativa de Paracatu.
Segundo Valdir Rodrigues“as grandes empresas de laticínios do Brasil selecionam os grandes produtores, aqueles com fácil acesso, enquanto as cooperativas pela sua característica, são o suporte para os pequenos produtores.”


“-Entendemos que em alguns municípios nós estamos fazendo um trabalho que é até social porque outras empresas deixaram de interessar por aquela região por falta de infra estrutura, por falta de estradas boas e até mesmo de energia e nós chegamos lá pra dar suporte, pra ajudar esses pequenos produtores. Na situação que temos hoje, essa normativa vai empurrar essas pessoas para a clandestinidade, pra vender leite em garrafas pet nas periferias, fazer queijo de maneira irregular, sem nenhum controle,” afirmou.

Paracatu.net

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu