Número de pessoas com sintomas da síndrome nefroneural em Minas salta para 17; Ministério da Agricultura manda recolher todas as marcas da cervejaria Backer

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) confirmou, na noite desta segunda-feira (13), que o número de casos suspeitos de intoxicação exógena, que causa a síndrome nefroneural, saltou de 10 para 17. São 16 homens e apenas uma mulher entre os listados.

Os casos são notificados pelos hospitais mineiros ao Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde (Cievs). Entre os sete novos casos suspeitos deve estar um homem que deu entrada no Hospital Madre Teresa, na Região Oeste de BH, na noite de domingo (12).

intoxicação exógena deve ter sido causada pelo consumo da substância química dietilenoglicol, encontrado no sangue de quatro dos 17 pacientes. O composto orgânico foi encontrado em três lotes da cerveja Belorizontina, fabricada pela Backer em BH.

Pacientes começaram a apresentar os sintomas da doença misteriosa na segunda quinzena de novembro. No início, problemas gastrointestinais (náusea e/ou vomito e/ou dor abdominal).

Depois, os pacientes sofrem insuficiência renal aguda de evolução rápida (em até 72 horas) somada a alterações neurológicas, como paralisia facial e descendente, borramento visual, amaurose (perda da visão parcial ou totalmente) e alteração de sensório.  A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) confirmou nesta segunda-feira (13) que um terceiro lote da cerveja Belorizontina, produzida pela Backer, também está contaminado por substâncias tóxicas. Além da presença do dietilenoglicol – já detectado nos lotes L1 1348 e L2 1348 -, este terceiro lote, L2 1354, também teria sido contaminado por monoetilenoglicol.

A suspeita de contaminação por dietilenoglicol se estende às outras marcas de cerveja produzidas pela cervejaria Backer, além da Belorizontina. O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) intimou a empresa a fazer o “recall” de todas as cervejas e chopes de todas as marcas produzidas entre outubro de 2019 e dia 13 de janeiro.

A cervejaria conta com 22 rótulos. De acordo com o órgão público, a comercialização está suspensa até que seja descartada a possiblidade de contaminação dos demais produtos.

O Mapa esclarece que não há, entretanto, resultado laboratorial que confirme a presença de etilenoglicol ou dietilenoglicol, substâncias tóxicas usadas em processos de resfriamento, nas demais marcas da empresa. “Os produtos estão sendo analisados e, caso existam resultados positivos, novas medidas serão adotadas”, informa a nota.

ESTADO DE MINAS


Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu