Mortandade de peixes é registrada no Triângulo e Alto Paranaíba; órgãos ambientais apontam causas naturais como geada e tempo seco

Rios próximos às cidades de Araxá, Ibiá, Patrocínio, Prata e Uberlândia tiveram casos recentes de morte dos animais. Em alguns casos, água também será analisada para descartar ou confirmar contaminação.

Casos de mortandade de peixes têm sido registrados no Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, e uma das principais causas podem ser as baixas temperaturas, poucas chuvas e registros de geadas nas regiões.

G1 fez um levantamento com o Instituto Estadual de Florestas (IEF), o Núcleo de Emergência Ambiental (NEA) e equipes da Polícia Militar de Meio Ambiente, que registraram diversas ocorrências de mortandade de peixes, principalmente por conta do tempo, além de um outro causado por descarte irregular.

Segundo a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad), a mortandade em massa de peixes pode ser definida como eventos repentinos e inesperados, na natureza ou em criatórios e que esses eventos podem ser desencadeados por doenças, alterações ambientais ou poluição, tanto acidental quanto deliberadamente e até mesmo por fenômenos naturais. Rios próximos às cidades de Araxá (veja vídeo no fim da reportagem), Ibiá, Patrocínio, Prata e Uberlândia tiveram registros recentes.

Processo natural

Folhas secas que caem nos rios podem influenciar diretamente em casos de mortandade de peixes no Triângulo e Alto Paranaíba — Foto: Maxwel Costa/ TV Integração

Folhas secas que caem nos rios podem influenciar diretamente em casos de mortandade de peixes no Triângulo e Alto Paranaíba — Foto: Maxwel Costa/ TV Integração

Quando causado de forma natural, diversos processos ocorrem para ser registrado mortandade de peixes. “Nesse período a quantidade de água diminui bastante e a quantidade de matéria orgânica aumenta, porque, como tem geada e seca prolongada, as árvores vão perder as folhas, que vão parar dentro do rio”, explicou o cabo da Polícia Militar de Meio Ambiente, Washington Silva.

Ainda segundo Silva, a folha em decomposição gera alguns compostos tóxicos e matéria orgânica, que vão alimentar algas. Essas algas diminuem a oxigenação da água e altera o pH. “Então sempre nessa época da seca tem ocorrência de mortandade de peixes”, completou o policial.

De acordo com a Semad, de fato esse período do ano, que coincide as menores temperaturas com a estiagem, afeta os peixes, já que eles também são sensíveis às mudanças térmicas.

“Outro ponto é que neste período, por conta do baixo índice de precipitação, os corpos d’água reduzem o seu volume, favorecendo a concentração de poluentes, diminuição de área e recursos disponíveis para ictiofauna [conjunto de peixes de uma região] e adensamento de peixes em pequenas áreas, o que pode levar à morte por falta de oxigenação ou estresse”, detalhou a secretaria em nota.

Registros

Mortandade de peixes foram registradas em rios próximos a Araxá — Foto: Maxwel Costa/ Divulgação

Mortandade de peixes foram registradas em rios próximos a Araxá — Foto: Maxwel Costa/ Divulgação

Silva é da equipe da PM de Meio Ambiente de Araxá e informou que, em cidades próximas, já foram registrados casos de mortandade de peixes nos rios Quebra Anzol, Tamanduá e Rio Capivara, todos da bacia hidrográfica do Rio Araguari.

Na cidade de Prata, alguns registros de peixes mortos foram constatados nos rios da Prata, Tejuco, Verde e do Peixe. Nestes casos ainda não souberam afirmar os motivos, mas que foram constatados em vários pontos e que algumas empresas serão notificadas para realizarem a análise da água.

Em Uberlândia, houve um caso que se distingue dos registrados nos outros pontos. No dia 10 de agosto, no Parque Linear do Rio Uberabinha, no Bairro Jaraguá, foi registrado caso de mortandade de peixes, em um “pequeno lago”, que segundo a PM de Meio Ambiente, “secou devido à estiagem ou devido à captação de água realizada”. Um suspeito foi autuado administrativamente por captar água sem autorização.

O NEA ainda constatou no dia 11 de julho um caso de mortandade no Rio Uberaba, também em Uberlândia, como “suposta causa” um descarte irregular de efluentes de tratamento de água.

O IEF, através do Núcleo do Alto Paranaíba, foi informado de pelo menos 8 pontos de mortandade de peixes na região, sendo além de Araxá e Ibiá, também em Patrocínio.

Volta das chuvas

Outo período que pode causar a morte em massa dos peixes é quando se inicia o período de chuvas nas regiões, de acordo com a Semad.

“A precipitação carreia [transporta] poluentes e outros materiais que se acumularam durante o período seco nas plantas, solo e superfícies, para os corpos hídricos causando alterações e levando à morte de peixes”, detalhou na nota.

G1

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn