Henrique e Juliano têm de pagar R$ 300 mil à família de funcionário que morreu em palco

Carlos de Souza levou um choque enquanto fazia reparos na estrutura. Também ficou acordado que os pais da vítima recebam uma pensão de um salário mínimo enquanto estiverem vivos.

A dupla Henrique e Juliano deve pagar R$ 300 mil por danos morais à família de um funcionário que morreu eletrocutado enquanto fazia reparos no palco onde os cantores se apresentariam. Além da indenização, acordada nesta terça-feira (11), ficou decido que os pais da vítima, Carlos Barbosa de Souza, recebam, cada um, uma pensão no valor de um salário mínimo enquanto estiverem vivos.

O advogado que representa a dupla e a empresa WorkShow Produções Artísticas, Maurício Vieira de Carvalho, disse que o resultado era o esperado pela defesa. “Nós ficamos satisfeitos com o resultado do processo. A empresa prestou todo o apoio para a família desde que aconteceu o acidente e agora não seria diferente”, disse.

Já a advogada da família de Carlos, Paula Ramos Nora de Santis, disse que o valor acordado não foi o que a família esperava, mas que decidiu aceitar para evitar mais desgaste, já que os pais de Carlos são idosos e tiveram que se deslocar cerca 800 quilômetros de Tocantins, onde moram, até Goiânia, onde aconteceu a audiência.

“Os dois já são idosos, estão cansados e sofreram muito com a perda do filho. Poderia ter sido mais justo o valor, mas tivemos que aceitar porque eles precisam descansar, precisam voltar pra casa”, disse a advogada.

A audiência de indenização foi realizada na 1ª Vara do Trabalho de Goiânia e foi presidida pelo juiz Édison Vaccari, que não quis comentar o resultado do processo. Além dos pais de Carlos, estiveram presentes no tribunal os nove irmãos da vítima e mais três advogadas.

Os cantores Henrique e Juliano não compareceram à audiência. Eles foram representados pelo advogado e outros dois funcionários.

Carlos morreu em fevereiro de 2019, em Uberaba, Minas Gerais. Após receber a descarga elétrica, ele caiu de uma altura de 6 metros e teve uma parada cardíaca. Ele chegou a receber atendimento dos bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não resistiu.

G1

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu