Faculdade nos EUA recebe da China testes para coronavírus contaminados

A Faculdade de Medicina da Universidade de Washington investiu US$ 125 mil para comprar kits de testes para coronavírus provenientes da China.

Um importador de Seattle usou um parceiro de negócios na China, que tinha uma conexão com um médico na província mais atingida pela doença, para garantir kits de testes de uma fábrica de Xangai e depois levá-los para o interior do país o mais rápido possível.

No entanto, A UW Medicine decidiu suspender, pelo menos temporariamente, o uso dos kits de teste da Lingen Precision Medical Products, depois que uma porcentagem dos kits mostrou sinais de contaminação.

De acordo com o South China Morning Post, o reitor interino Geoff Baird recomendou a todos que compraram o que chamou de “coisas” para que não as usassem. “Não posso dizer que não estou decepcionado”, declarou.

Baird estimou que não mais do que algumas centenas dos kits de teste que ele verificou estavam afetados. Testes de laboratório posteriores confirmaram que uma bactéria chamada Stenotrophomonas maltophilia crescia nas amostras chinesas contaminadas.

Muitos dos frascos pareciam estar em boas condições. Mas o líquido, em uma pequena porcentagem, havia mudado para uma cor laranja ou amarela, em vez de rosa quente, uma indicação de crescimento bacteriano. Alguns pareciam nublados também.

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu