Cerveja contaminada: perícia encontra substância tóxica na água da Backer

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) identificou substâncias tóxicas na água. Análises de sete lotes da Belorizontina deram positivo para o dietilenoglicol

A perícia do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) encontrou as substâncias tóxicas monoetilenoglicol e dietilenoglicol na água usada na produção da cervejaria Backer, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

O resultado aumenta a suspeita de que outros rótulos da empresa possam estar contaminados, e não somente a cerveja Belorizontina, associada à intoxicação de 17 pessoas.

Ainda não há resultados das análises das outras marcas produzidas pela Backer, mas o Mapa identificou sete lotes de Belorizontina contaminados – um deles com o rótulo Capixaba, nome dado à cerveja distribuída no Espírito Santo.

A inspeção do órgão federal também constatou os agentes químicos em mais de um dos 70 tanques usados na fabricação das cervejas. Na terça-feira, a empresa informou que apenas o tanque 10 teria sido lacrado.

“Inicialmente, existia uma hipótese de que essa contaminação estivesse restrita a um lote de produção ou a um tanque. Fizemos uma análise e vimos que não estava restrita a um ou outro tanque, estava distribuída em diversos tanques. Dessa forma, passamos a abordar essa contaminação a uma etapa anterior à fermentação”, disse o coordenador-geral de Vinhos e Bebidas do Mapa, Carlos Vitor Müller, em coletiva de imprensa.Continua depois da publicidade

A indústria foi interditada pelo órgão federal na sexta-feira até que mostre condições seguras de funcionamento. O Mapa também determinou o recolhimento de todos os produtos e a proibição da venda das cervejas da Backer, que produz 22 rótulos.

Ontem, a força-tarefa que investiga o caso voltou à indústria, em Nova Lima, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, para nova perícia. Os técnicos do ministério identificaram moléculas de monoetilenoglicol e dietilenoglicol na água do tanque de resfriamento da cervejaria.

Baseado em informações concedidas pela própria Backer, Müller informou que essa água é usada para a produção da bebida. “Conseguimos identificar que a água contaminada por etilenoglicol está sendo utilizada no processo cervejeiro. O que não consegue ainda afirmar é de que forma ainda ocorre essa conbtaminação nesse tanque de água gelada”, diz.

Não se sabe o motivo de elas estarem presentes nesse local, já que essas substâncias tóxicas são usadas no sistema de serpentina que circunda o tanque, em etapa posterior da produção. A substância é capaz de resfriar o líquido, sem provocar o congelamento.

“Sabotagem pode ocorrer, vazamento, utilização incorreta de monoetilenoglicol para melhorar o desempenho, mas ainda não dá pra definir. Vamos trabalhar nessa investigação”, afirmou. Outro mistério é porque a Backer informa usar apenas o monoetilenoglicol como fluido anticongelante.

Confira os lotes em que o Mapa encontrou o dietilenoglicol:

Belorizontina L2 1354
Belorizontina L2 1348
Capixaba L2 1348
Belorizontina L2 1197
Belorizontina L2 1604
Belorizontina L2 1455
Belorizontina L2 1464

ESTADO DE MINAS

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu