Cássio Remis, candidato a vereador morto em Patrocínio, recebe homenagem após missa de sétimo dia

Assassinato ocorreu após vítima divulgar suposta irregularidade em obra da Prefeitura em uma live. Jorge Marra, autor dos tiros, está no presídio em Patos de Minas; delegado recebe novas denúncias sobre ameaça.

Familiares e amigos do candidato a vereador Cássio Remis, que foi morto em Patrocínio após fazer uma live denunciando suposta irregularidade em obra da Prefeitura, fizeram nesta quarta-feira (30) uma carreata em homenagem à vítima.

Ele foi morto a tiros na última quinta-feira (24) e o autor dos disparos, o então secretário de Obras Jorge Marra, que é irmão do prefeito da cidade, foi preso três dias depois. Ele está no Presídio Sebastião Satiro, em Patos de Minas. O inquérito da Polícia Civil ainda não foi concluído.

Segundo informou Nayara Queiroz, viúva de Cássio, durante a manhã houve a missa de sétimo dia, na Igreja Nossa Senhora de Fátima e, em seguida, foi feita uma carreata.

Os participantes foram até a avenida onde o candidato a vereador fez a live e, em seguida, no local onde foi morto, em frente à Secretaria de Obras. “Lá fizemos orações e deixamos flores”, contou.

Investigação

Segundo informou o delegado Renato Mendonça, as investigações estão em andamento e o inquérito ainda não foi encerrado.

“Novas oitivas estão sendo feitas com pessoas que disseram que já foram ameaçadas por Jorge Marra ou presenciaram alguma ameaça, estamos vendo se não foi somente um caso isolado. Apesar de não ter boletim de ocorrência com registros, estamos recebendo denúncias agora”, informou.

No momento da prisão, o advogado de defesa de Marra, Sérgio Rodrigues Leonardo, disse que ele agiu em legítima defesa e que vão pedir a liberdade do cliente.

Crime

Cássio Remis morreu na tarde da última quinta-feira (24) após ser baleado pelo então secretário de Obras, Jorge Marra.

Antes de morrer, a vítima estava na Avenida João Alves do Nascimento mostrando o processo de revitalização, quando alegou na transmissão ao vivo que funcionários da Prefeitura eram usados para fazer serviços particulares em frente a uma residência que seria o comitê de campanha do atual prefeito, Deiró Moreira Marra.

Nesse momento, Jorge Marra saiu de um veículo, tomou o aparelho da vítima e voltou ao carro.

Conforme a Polícia Militar, em seguida, Remis foi atrás de Jorge Marra, que se dirigiu à Secretaria de Obras. Na porta do local, o candidato tentou pegar o telefone de volta, mas Marra atirou e fugiu.

Segundo o delegado Renato Mendonça Cardoso, testemunhas relataram que depois que a vítima foi alvejada pelas costas e caiu no chão, o autor ainda deu mais três tiros.

Logo após o crime, o prefeito e irmão do autor, Deiró Marra, fez um pronunciamento e assinou a exoneração do secretário.

“Lamentamos tudo que aconteceu e essa sequência de fatos absolutamente injustificáveis, que culminaram na morte do vereador Cássio Remis por disparo de armas de fogo, infelizmente pelas mãos do meu irmão. Todas minhas diferenças de campo político sempre foram resolvidas através do debate, jamais tive qualquer atitude fora desse campo”, falou.

Prisão

No dia após o crime, a arma usada por Jorge Marra para matar a vítima e a caminhonete da fuga foram encontradas em Perdizes. No último domingo, ele se entregou na delegacia de Polícia Civil.

Segundo a investigação, Jorge Marra se apresentou de forma espontânea após um acordo feito com sua defesa e “cooperou com 99% das perguntas”.

Depois de depor por cerca de três horas, o acusado foi encaminhado para um presídio, uma vez que havia um mandado prisão preventiva contra ele. Nesta semana, foi transferido para o Presídio Sebastião Satiro em Patos de Minas.

Após ser exonerado pelo irmão, o prefeito Deiró Marra, um novo secretário de Obras assumiu a pasta na Prefeitura de Patrocínio.

G1


Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Fechar Menu